Ir direto para menu de acessibilidade.
Você está aqui: Página inicial > Imprensa > Notícias > Prefeitura de Barra Mansa realiza ação de encerramento do ‘Janeiro Branco’
Início do conteúdo da página

Prefeitura de Barra Mansa realiza ação de encerramento do ‘Janeiro Branco’

Publicado: Quinta, 30 de Janeiro de 2020, 18h47 | Última atualização em Quinta, 30 de Janeiro de 2020, 18h47

Atividade buscou aproximar a população para conscientização da causa

 

Com o tema “Cuidar da Saúde Mental não tem preço”, o Programa de Saúde Mental de Barra Mansa e o Núcleo de Apoio à Saúde da Família (NASF) reuniu na manhã desta quinta-feira (30) pacientes na Praça da Igreja Matriz de São Sebastião, no Centro. O principal objetivo da ação foi levar à população o tema ‘Janeiro Branco’, período destinado a debates sobre a saúde emocional.

Estavam presentes, as instituições que são ligadas ao Programa de Saúde Mental de Barra Mansa (o Centro de Atenção Psicossocial (CAPS) e o Espaço Reviver) e também o Núcleo de Apoio à Saúde da Família (NASF).

A coordenadora do Núcleo de Apoio à Saúde da Família, Maiara Maia, exemplificou a ação realizada junto à população. “Este momento aqui na praça é um encerramento do Janeiro Branco. Estamos tentando conscientizar as pessoas a priorizarem a saúde mental. Muitas priorizam os bens materiais e esquecem o emocional”, concluiu Maiara.

A assistente social da Santa Casa, Sabrina Gabriella Paulino, destacou a parceria do hospital com o governo municipal na realização da campanha. “A ação da Prefeitura com a Santa Casa teve um resultado muito positivo. Poucas pessoas têm conhecimento da questão ou se interessam em saber o que é o Janeiro Branco. Nessa campanha conseguimos fazer os usuários refletirem de como é importante cuidarem da saúde mental, pensarem sobre suas vidas e seus relacionamentos”, pontuou Sabrina.  

O paciente assistido pelo programa, Ademar dos Santos, ressaltou o desenvolvimento que adquire com o trabalho proporcionado pelas entidades de saúde. “No tratamento tomo remédios, faço a terapia ocupacional e aprendo coisas nas oficinas, como desenhar e cozinhar”, destacou.

 

registrado em:
Fim do conteúdo da página